Todos os posts de admin

Data do ENEM 2014

Fonte: Vestibulando Web

Data do Enem 2014: O Ministério da Educação confirmou nesta quinta-feira (8) que as provas doExame Nacional do Ensino Médio (Enem), edição 2014, serão aplicadas nos dias 8 e 9 de novembro. As inscrições serão realizadas entre os dias 12 e 23 de maio, segundo a assessoria de imprensa do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).

Entre as novidades anunciadas pelo ministério está a tradução do edital para aumentar a acessibilidade dos estudantes surdos e cegos, e o uso de detectores de metal nas salas de aplicação das provas, para coibir tentativas de fraude. No edital o candidato terá acesso a todas as informações referentes ao exame, como regras, datas de inscrições e de realização das provas.

Não deixe de fazer o nosso simulado do ENEM. Clique aqui.

UFC seleciona para curso preparatório ENEM 2014

Fonte: G1 CE

O Pró-Exacta, projeto de extensão da Universidade Federal do Ceará (UFC), realiza seleção de estudantes interessados em se preparar para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). São ofertadas 60 vagas para alunos do 1º Ano do Ensino Médio, 40 para estudantes do 2º Ano e 10 vagas para  o 3° Ano. Os testes serão realizados no dia 8 de fevereiro, a partir das 9h,  no bloco 707 do Campus do Pici, em Fortaleza.

As aulas serão realizadas aos sábados, a partir do dia 15 de fevereiro, e serão ministradas por universitários dos cursos de engenharia da UFC.

Segundo a organização do programa, não é necessário fazer uma inscrição para participar da seleção, o candidato deve chegar com uma hora de antecedência, portando documento de identificação oficial com foto, declaração ou comprovante de matrícula na rede pública de ensino.

O conteúdo programático do concurso para os estudantes do 1° Ano é composto por matemática básica, com assuntos dados até o nono ano, para concorrentes do 2° Ano o contéudo aborda estudo de vetores, força e cinemática, esquiometria, funções inorgânicas, modelos atômicos, polinomial e geometria plana. Já para postulantes do 3° Ano, a prova é composta por ótica, propriedades coligativas, estatística, eletroquímica, probabilidade e termologia.

ENEM 2014 – A possibilidade de duas provas é descartada

Fonte: Zero Hora

O Ministério da Educação (MEC) confirmou que não será criada uma segunda prova anual do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em 2014. O ministro José Henrique Paim confirmou que os candidatos do Enem 2014 deverão fazer um único teste no fim do ano, como já vem sendo feito nos últimos anos.

Em 2009, o então ministro da Educação Fernando Haddad anunciou a aplicação das duas provas. As provas do primeiro semestre ocorreriam em abril, e as do segundo em novembro.

Em 2011, uma portaria determinando a mudança chegou a ser publicada no Diário Oficial, definindo que o exame teria duas edições por ano a partir de 2012. Em fevereiro daquele ano, entretanto, a portaria foi revogada.

A data do início das inscrições e o calendário de 2014 ainda não foi divulgado pelo MEC, mas com a confirmação de uma única prova, especula-se que o exame siga um cronograma parecido com o do ano passado, quando candidatos se cadastraram no sistema entre 13 e 27 de maio. A prova ocorreu no fim de outubro.

Prova em três etapas segue em avaliação

A Câmara dos Deputados ainda está analisando o projeto de lei que prevê a realização do Enem em três etapas, com uma avaliação ao final de cada ano do Ensino Médio. Pelo texto do deputado Izalci Ferreira, de Brasília, as duas primeiras provas deverão avaliar o aluno pelo conteúdo, mais próximo à maneira que acontece hoje. Já o último teste seria de aptidão vocacional.

De acordo com o deputado, uma avaliação dividida em mais etapas permite que o desempenho do estudante seja gradativamente testado. A proposta será analisada pelas comissões de Educação e de Constituição, Justiça e de Cidadania. Ainda é impossível se determinar a partir de que ano a proposta passaria a valer.

A proposta também prevê pelo menos 3 mil horas de aulas para o Ensino Médio, ao longo de no mínimo três anos. Segundo o autor do projeto, a intenção é transformar em regra geral a jornada escolar diária de cinco horas.

Fonte: http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/geral/noticia/2014/02/mec-descarta-possibilidade-de-duas-provas-do-enem-em-2014-4415522.html

 

Enem também é requisito no inglês Sem Fronteiras

Fonte: Estadão/UOL

A obrigatoriedade do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) também impede inscrições no Programa Inglês sem Fronteiras, criado pelo MEC (Ministério da Educação) depois que foi constatado que o domínio do idioma era uma dificuldade para quem pretendia viajar pelo CsF (Ciência sem Fronteiras).

O acesso à plataforma virtual de cursos My English Online fica restrito aos alunos de graduação com nota igual ou superior a 600 pontos em edição do Enem após 2009. O apoio do governo para aulas presenciais de inglês também não chega a todos. Na primeira fase do programa, participam só universidades federais que ofertam graduações de Letras com habilitação no idioma.

O programa, segundo a Capes, deve ser ampliado gradualmente às outras instituições. Para Laura Sterian Ward, coordenadora do CsF na Unicamp, as universidades estaduais deveriam receber igual apoio nos cursos de línguas e escritórios de internacionalização. “A ajuda financeira está sendo dada pelo CsF para implementar ensino de inglês nas federais apenas. As estaduais não recebem tal ajuda.” Hoje, a oferta só é universal no teste de proficiência, o Toefl. O MEC aplica o exame gratuitamente. As informações são do jornal “O Estado de S. Paulo”.

Dicas de concentração para o ENEM

Fonte: Educação Globo

Muitos alunos têm dificuldades de concentração nos estudos. Se esse é o seu caso, fique tranquilo. Pequenas dicas podem ajudar a resolver o seu problema, aumentar sua capacidade de concentração nos estudos e ainda aumentar as chances de bons resultados no Enem.

A aprovação no vestibular depende de esforço, dedicação e principalmente, organização. É importante estabelecer objetivos claros, como, por exemplo, aprender Implícitos e pressupostos até o fim de uma determinada semana. Um bom planejamento permite ganhar ritmo de estudo e assim, aprender mais conteúdos curriculares até o dia do exame.

Ao estudar, é importante se afastar de objetos e lugares que causem interferência no processo de aprendizado. Lugares barulhentos, televisores e celulares não são amigos do estudo, causam distração e por isso devem ser evitados.

Dicas

1 – Escolha um lugar único para estudar. Deve ser um local calmo, bem iluminado e livre de distrações e interrupções. Tente reproduzir o local de prova;

2 – Não estude ouvindo música, que pode colaborar para a desatenção;3 – Crie uma agenda que estabeleça tarefas e prazos. Assim você terá mais estrutura para estudar e conseguirá acompanhar a sua evolução;

4 – Respeite o seu relógio biológico. Todos tem um período do dia em que funcionam melhor, por isso, procure estudar no horário em que sua mente estiver mais ativa;

5 – Não estude cansado ou com fome. Sem energia, você terá dificuldades para se concentrar nos estudos;

6 – Não misture o ato de estudar com outra tarefa. Você não conseguirá focar nas duas coisas;

7 – Divida grandes conteúdos em partes menores. Se você tentar estudar um conteúdo muito extenso de uma vez só, poderá se preocupar demais e ter dificuldades em manter a atenção;

8 – Afaste preocupações dos seus pensamentos, que contribuem para desatenção. Procure ocupar a cabeça com o conteúdo estudado;

9 – Tente relacionar o conteúdo estudado à sua vida, especialmente tratando-se de matérias de exatas. Isso vai tornar o que você estuda mais interessante e assim lhe motivar a se concentrar;

10 – Durante o estudo, faça pausas breves sempre que se sentir cansado. Beba água, distraia-se com outro assunto por alguns minutos.

Todas as 59 universidades federais do País aderiram ao Enem 2013

Pela primeira vez após quinze anos da primeira edição do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) houve a adesão de todas as 59 universidades federais do País ao Enem como processo seletivo para novos alunos. Nesta edição do Enem 2013 foram inscritos mais de 7 milhões de candidatos, participação recorde, mesmo com algumas falhas que ocorreram na edição passada, o Enem vem se consolidando.

Nos últimos três anos o número de vagas no ensino superior para participantes do Enem cresceu cerca de três vezes chegando a 129.319 cadeiras em instituições públicas de ensino superior. De acordo com o ex-presidente do Inep Reynaldo Fernandes “A aceitação em relação ao exame aumentou, mas o desafio logístico ainda é grande, tanto que ainda não se consegue fazer duas edições por ano”.

Adesão ao Enem 2013 em Unidades Prisionais vão até o dia 25 de outubro

Já para as unidades prisionais o prazo para aderir ao Enem 2013 será entre os dias 7 a 25 de outubro, para que os órgãos de administração prisional e socioeducativa firmem o termo de compromisso através da internet com o Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira). Para que possa ser aplicado o exame nacional do ensino médio em suas unidades.

A inscrição para privados de liberdade deverá ser feita da mesma forma que os demais participantes, pela internet, para isso será ser indicado um responsável pedagógico, a quem caberá providenciar a inscrição dos privados de liberdade. O responsável pedagógico irá indicar o número da Unidade Prisional ou Socioeducativa e o CPF do participante.

Caberá também ao responsável pedagógico ter acesso aos resultados e divulgar aos participantes e encaminhar a participação do candidato no Sisu (Sistema de Seleção Unificado) e em demais programas de acesso à educação superior.

O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2013, para estes participantes, será nos dias 3 e 4 de dezembro. De acordo com Luiz Cláudio Costa, presidente do Inep,” O Enem possibilitará que os participantes concorram a vagas em instituições de ensino superior ou obtenham a certificação do ensino médio”. O termo de compromisso e as inscrições deverá ser feito através da página do Inep. Para mais informações consulte o Edital.

Erros a serem evitados na Redação ENEM 2013

Fonte: INFOENEM

Neste último mês de estudos para o Exame Nacional do Ensino Médio, praticar o máximo que puder é a principal estratégia a ser aplicada. Já falamos sobre isso em vários artigos direcionados para as provas objetivas. E com a Redação não deve ser diferente.

Nessas semanas que antecedem o exame, aumentar a quantidade de redações semanais é fundamental para chegar confiante e bem preparado no segundo dia de provas do Enem, no qual terá que escrevê-la. Se você não está escrevendo nenhuma redação, faça no mínimo uma por semana. Se já escreve uma semanalmente, aumente para duas. Se faz duas por semana, experimente três. Quanto mais treinar, melhor.

Dada nossa orientação inicial, elencamos abaixo alguns erros/descuidos que você deve evitar quando for escrever suas próximas redações, especialmente a do dia 27 de outubro. Leia com atenção e lembre-se deles sempre que estiver com o papel e caneta em mãos! Bons estudos!

 

1- Letra ilegível: Eis o primeiro grande equívoco. Não é possível querer obter sucesso na redação com uma letra cuja qual o corretor terá que decifrar, concorda? Além disso, quando escreve um texto ¨limpo¨ e com letra caprichada, você facilita o trabalho do corretor, o que já te deixa em vantagem em relação aos candidatos que não o fazem. Aproveite os próximos textos que irá fazer para treinar sua caligrafia também. Durante a prova, caso cometa algum erro ortográfico, coloque a palavra entre parêntesis e trace um risco sobre ela;

2- Trocar o gênero exigido pela proposta: Muita atenção aqui, pois este erro pode levá-lo a nota zero na redação! O gênero exigido na redação do Enem é a Dissertação – Argumentativa. Nada de narrativas, cartas ou poesias. Esse gênero consiste num texto opinativo que se organiza na defesa de seu ponto de vista sobre determinado assunto. Para entendê-lo mais a fundo, vale a pena conferir este artigo da nossa colunista e professora de redação, Camila Pozza;

3- Fugir do tema: Outro importante erro que é passível de zerar sua redação. Divagar ou ¨viajar¨ no tema proposto caracterizam esse deslize. Para evitá-lo, leia com muita atenção a proposta e certifique-se que, além de deixar clara sua opinião, também está dando uma solução adequada à problemática abordada pelo tema;

4- Evitar chavões, clichês e argumentos frágeis: Certamente você já ouviu essa recomendação, mas não é exagero ressaltar. Generalizações como “antes só do que mal acompanhado”, ¨faca de dois gumes¨ e ¨fechar com chave de ouro¨, por exemplo, demonstram falta de originalidade do autor, além de empobrecer muito o texto;

5- Cometer erros na grafia ou concordância: Erros de acentuação e escrita das palavras, recorrentes no mesmo texto, levam a perda de pontos preciosos. Pontuação incorreta, e falta de concordância, como ¨Fazem muitos meses¨, podem alterar o sentido das frases e comprometer a redação. A principal dica aqui é que você faça uma boa revisão após concluir seu texto, relendo-o mais de uma vez se possível;

6- Deixar de lado a coerência e a coesão: A conexão entre os parágrafos e as ideias deve ser bem estabelecida para garantir a fluência do texto. Uma boa dica neste ponto, é escrever de forma que o próximo para parágrafo responda ou dê sequência ao anterior. Não contradizer seus argumentos/ideias e manter a pessoa gramatical (iniciar o texto em terceira pessoa e depois não mudá-lo para primeira pessoa, por exemplo) também são passos fundamentais para não perder a coerência;

7- Usar fases imperativas: Instruções ou ordens ao leitor, como ¨faça isso¨ ou ¨haja desta maneira¨ são consideradas frágeis e fogem a discussão proposta pela redação. O ideal é organizar seus argumentos de forma que a reflexão e as conclusões sobre eles fiquem a cargo do próprio leitor.

Cultura e Cidadania são destaques no ENEM 2013

Fonte: Terra

Aplicada no primeiro dia de Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), a prova de Ciências Humanas e suas Tecnologias propõe 45 questões objetivas relacionadas às disciplinas de História, Geografia, Filosofia e Sociologia. Temas como diversidade cultural, conflitos, vida em sociedade, movimentos sociais, pensamento político e ação do Estado estão na base das perguntas.

De acordo com o professor do Curso Pré-Enem do Anglo Claudio Falcão, trata-se de uma prova com características ainda não consolidadas, por ser relativamente nova. Em comparação aos vestibulares, a primeira diferença que pode ser percebida está na organização dos conteúdos. Enquanto os vestibulares costumam separá-los em disciplinas da mesma forma que no Ensino Médio, as questões de Ciências Humanas não estão separadas por matéria. Muitas são interdisciplinares. Falcão exemplifica com um tema que é abordado frequentemente no Enem, movimentos sociais – um assunto que envolve sociologia, geografia, história e até filosofia.

O professor aponta ainda outra diferença em relação aos vestibulares. Por ser uma prova de escala nacional, não há muito espaço para regionalismos específicos. Além disso, ter capacidade interpretativa e estar a par dos principais acontecimentos do Brasil e do mundo são competências exigidas em todo o exame do Enem. Mas em Ciências Humanas, essas habilidades são ainda mais importantes.

A prova trabalha com linguagens verbais e não verbais: além dos textos há tabelas, imagens, gráficos, quadros, músicas, histórias em quadrinhos… Nada ali é meramente ilustrativo. Assim como acontece com os textos, é preciso interpretar os outros recursos, fazer uma análise crítica da linguagem não verbal e relacionar com conteúdo. “Tem que estar atento a todos os detalhes, ver as datas dos quadros, prestar atenção aos autores, relacionar os períodos históricos, correntes literárias ou filosóficas, não dá pra deixar escapar nada”, afirma.
Conteúdos

Para se dar bem na prova de humanas, é fundamental ler muito, exercitar a interpretação e estar atualizado, atento ao que acontece no Brasil e no mundo. Segundo o consultor pedagógico do Sistema Ari de Sá de Ensino Alberto Serra, como a avaliação cobra habilidades variadas dos candidatos, fica difícil acertar exatamente o conteúdo que vai ser abordado, mas independente do assunto, é fundamental saber conectar os objetos das disciplinas aos acontecimentos atuais.

Protestos

Valores de cidadania costumam perpassar as provas do Enem, e o assunto tende a ganhar mais importância principalmente após a onda de protestos que ocuparam as ruas do País nos últimos meses. Em relação a este tema, o professor do Anglo recomenda que os candidatos vão para a prova com uma boa noção sobre a estrutura do Estado brasileiro. É interessante saber as atribuições dos Poderes Legislativo, Executivo e Judiciário, bem como das esferas municipal, federal, estadual – saber de quem se cobra o quê. “A grande falta de conhecimento da estrutura do Estado nacional brasileiro pode ser percebida nas manifestações, pelas políticas municipais ou estaduais que estão sendo cobradas do governo federal. Por exemplo, segurança é atribuição estadual, transporte e limpeza, são municipais, é provável que haja questões sobre isso”, aposta o professor.

 

Outro tema que merece atenção especial dos candidatos é a construção da identidade brasileira, especialmente a natureza multicultural do povo brasileiro. Os professores apostam em questões abordando temas como: as culturas negra e indígena, políticas afirmativas no Brasil, inserção do negro após a abolição da escravidão, contribuição das diferentes culturas para a formação de nossa sociedade.

Além disso, as mudanças sociais apontadas pelo Censo 2010 podem gerar questões do exame. A pesquisa mostrou mudanças nos núcleos familiares – há cada vez mais mulheres liderando famílias, famílias estas que estão cada vez menores. O Censo indicou ainda que o Brasil é um país cada vez mais urbano, com diminuição no ritmo de crescimento de sua população. Na área internacional, atenção às ações diplomáticas brasileiras, participação do País na Organização Mundial do Comércio, no Conselho de Segurança da ONU, presença militar no Haiti, etc.

Reta final

O último mês de estudos antes da prova é a hora de uma grande retomada dos conteúdos. Esta é a opinião de Falcão e de Serra, que recomenda que os estudantes não tentem aprender coisas novas às vésperas do exame. “É melhor fazer revisões. Na ânsia de tentar aprender muitas coisas em curto período de tempo, o candidato pode acabar ficando ainda mais nervoso ao perceber algo que não saiba, e acaba desanimando”, explica.

Uma boa forma de testar os conhecimentos antes do grande dia é resolver as provas de edições anteriores do exame, observando quais foram os temas mais recorrentes. Para Falcão, outra maneira de revisar os conteúdos é estudar a constituição brasileira. Por ter sido a primeira pós-ditadura, ela foi elaborada com o compromisso de garantir os direitos sociais da população. “A constituição traz temas que não são comuns na sala de aula, mas aparecem bastante no Enem”, esclarece.

Serviço

O Enem ocorre nos dias 26 e 27 de outubro, com início às 13h, horário de Brasília, em todas as Unidades da Federação, e é constituído de uma redação e quatro provas objetivas, contendo cada uma 45 questões de múltipla escolha. A prova de Ciências Humanas e suas Tecnologias do Enem é aplicada no primeiro dia junto da prova de Ciências da Natureza e suas Tecnologias, com duração de 4h30min.

Fonte: Terra
http://noticias.terra.com.br/educacao/enem/enem-2013-cultura-e-cidadania-sao-destaques-em-ciencias-humanas,b515ec97af8e0410VgnVCM3000009acceb0aRCRD.html

Ranking dos assuntos mais frequentes no ENEM

Fonte: Estadão

Interpretação de texto e modernismo são os temas mais recorrentes na prova de língua portuguesa do Enem. Gramática, por sua vez, é apenas o quarto assunto mais abordado no exame. É o que aponta mapeamento feito pela Universia Brasil, rede de cooperação universitária, que reuniu e analisou todas as questões das 13 edições da prova. Nos próximos meses, a rede publicará informações sobre as outras provas, a começar pela de redação, em maio.

“Coletamos todas as provas e percebemos que alguns temas se repetiam”, conta Bruna Delprete, assistente de conteúdo da Universia Brasil. Além da interpretação de texto, a rede identificou que o exame de português também cobra com frequência interpretação de charges, publicidades, poemas, músicas, infográficos, gráficos e crônicas. Este tipo de questão ficou em terceiro lugar no ranking.

Os outros dois temas identificados como recorrentes são bem específicos: variação linguística e funções de linguagem. A variação linguística pode ser histórica, geográfica, sociocultural e situacional. A mais cobrada pelo Enem, a geográfica, se dá quando a língua muda de um lugar para outro. No Brasil, por exemplo, falamos ônibus e em Portugal, é autocarro.

Segundo Bruna, o mapeamento não garante quais serão os temas das próximas provas, mas mostra as tendências. “O estudante não deve deixar tudo de lado e estudar só isso, mas, sabendo quais são os assuntos preferidos do Enem, ele tem a chance de se aprimorar”, afirma. A Universia Brasil divulgará ainda o mapeamento feito nas provas de matemática, Ciências Humanas e Ciências da Natureza. Questionada se há alguma surpresa nos outros exames, Bruna afirma: “Tudo é uma surpresa”.

Confira abaixo os seis assuntos mais tratados na prova de língua portuguesa nos 13 anos de Enem:

1.º lugar – Interpretação de texto
Como já é sabido, o Enem é uma prova menos decorativa e mais lógica e a interpretação de texto é o forte do exame.

2.º lugar – Modernismo
Modernismo inclui o movimento e todos os poetas e escritores que fazem parte dele, como Oswald de Andrade, Fernando Pessoa e Manuel Bandeira. A Universia aposta que este ano o escritor Jorge Amado, que completaria 100 anos em 2012, motive questões da prova.

3.º lugar – Outros tipos de interpretação
Interpretação de charges, publicidades, poemas, músicas, infográficos, gráficos e crônicas.

4.º lugar – Gramática
A gramática geralmente está diluída em perguntas de interpretação de texto e questões que cobram figuras de linguagem, pronomes, colocação pronominal, vocativo, aposto, artigo, conjunção e o novo acordo ortográfico são as mais comuns.

5.º lugar – Variação linguística
São quatro tipos de variações linguísticas: a histórica, geográfica, a sociocultural e situacional. A mais cobrada no Enem é a geográfica.

6.º lugar – Funções da linguagem
A evolução porcentual da matéria nas provas foi crescente e por isso é um assunto provável de ser cada vez mais demandado. São seis funções da linguagem: emotiva, referencial, apelativa, fática, poética e metalinguística.

Temas frequentes em Química no ENEM

Fonte: Universia Brasil

A Universia Brasil mapeou todas as edições do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) e separou quais temas são mais frequentes em química.

A Universia conversou com os professores Anderson Dino, do cursinho Oficina do Estudante e com João Usberco, professor no Anglo Vestibulares.

Confira a seguir quais são os cinco temas mais frequentes nas questões de química do Enem:

O que mais cai de química no Enem: Química Ambiental

Química Ambiental evolve questões sobre chuva ácida, poluição, combustíveis fósseis e renováveis e outros processos que comprometem a saúde do planeta e, consequentemente, do homem. Por conta desses temas, a química ambiental acaba se relacionando com outras disciplinas como biologia, geografia e física. O professor Anderson Dino recomenda que os alunos estejam atualizados sobre os acontecimentos atuais que envolvem essas questões. “Esse ano, por exemplo, teremos o Rio +20. Podem ser cobrados ociclo da água, o ciclo do carbonoaquecimento global, e também a questão energética do pré-sal”, disse. O professor João Usberco dá a dica: “Muitos desses temas o próprio enunciado encaminha para o enfoque da questão. Fundamentalmente, um combustível renovável é o adequado para a própria situação do planeta.”

O que mais cai de química no Enem: Equilíbrio Químico

Os equilíbrios químicos tratam sobre reações reversíveis. Questões sobre catalisadores, superfície de contato, cálculo do pH, temperatura e transformações. “Esses assuntos não são básicos. O candidato deve saber calcular a constante de equilíbrio”, alerta o professor Dino. É importante estar atento para as relações que essas questões costumam fazer com a química ambiental, ácidos e também com conteúdos de matemática.

O que mais cai de química no Enem: Transformações Químicas

As transformações ou reações químicas ocorrem quando há a formação de uma nova substância, ou seja, quando as propriedades de um elemento original são alteradas. Algumas evidências mostram a ocorrência de uma transformação química: oxidação, combustão, mudança de cor, liberação de um gás, cheiros, formação de um sólido, etc. Dentro de um assunto tão abrangente, o professor Dino destaca as questões sobre mineração. “Como o Brasil é um grande exportador de minérios, são comuns perguntas sobre obtenção de ferro, reciclagem do alumínio e retirada de bauxita da natureza. Além disso, conteúdos como concentração e separação de misturas são cobradas a partir da transformação do petróleo e obtenção do etanol.”

O que mais cai de química no Enem: Cálculo Estequiométrico

cálculo estequiométrico é o cálculo das medidas em reações e equações químicas. Comum no Enem e na maioria dos vestibulares, é utilizado, por exemplo, quando o médico precisa calcular quanto deve administrar de determinada substância para o paciente. São comuns questões sobre rendimento, excesso, pureza, balanceamento. A dificuldade costuma ser variada, mas o professor Dino alerta “é necessário que o aluno conheça a grandeza mol e saiba calcular e fazer as conversões”.

O que mais cai de química no Enem: Química Orgânica

A química orgânica estuda os compostos do carbono. São muito comuns as questões sobre funções orgânicas, “especialmente o reconhecimento e característica das funções”, diz o professor Usberco. “O Brasil é um dos maiores produtores de etanol do planeta. As perguntas são mais fáceis e tratam sobre a produção do etanol a partir de outras fontes como a madeira e o açúcar, além de abordar assuntos como polímeros, plásticos e bioplásticos”, contextualiza o professor Dino.

Além dos temas citados acima, podemos destacar também a interpretação e análise de gráficos e tabelas. “O aluno deve ficar atento para conseguir identificar se o gráfico apenas ilustra, ou seja, serve como complemento do texto ou se as informações contidas nele são exclusivas e essenciais para a resolução do exercício”, completa o professor Dino.